Vale a pena fazer investimento em Previdência Privada?

A Previdência Privada é um tipo de aplicação relativamente nova no mercado financeiro brasileiro, e está se tornando cada vez mais comum ouvirmos falar nela. Muitos visitantes do site estão nos questionando: aplico meu dinheiro em Previdência Privada ou Poupança? Para responder essa questão, primeiro é importante falar um pouco sobre a Previdência Privada, então vamos lá!

Se você quer ler sobre Previdência Privada para fins de aposentadoria, leia: “Previdência Privada: é uma boa opção para aposentadoria?”.

Previdência Pública x Previdência Privada

Previdência Privada ou Poupança

Vou tentar explicar de uma forma bastante prática qual a diferença entre esses dois tipos de previdência no Brasil.

Previdência Pública: É a aposentadoria do INSS, ou seja, você trabalha a vida toda como funcionário, autônomo, etc, e após contribuir por um tempo determinado, tem direito de se aposentar e receber pelo resto da vida um salário mínimo por mês ou um salário mensal proporcional às suas contribuições (caso suas contribuições sejam sobre um salário maior que o mínimo).

Previdência Privada: Também é conhecida como complementar, e a ideia é justamente complementar o salário que você vai receber do INSS, ou seja, você receberá seu salário do INSS e mais um valor “xis” da Previdência Complementar. É opção de cada cidadão fazer um plano desse ou não, e o valor que você vai receber depende se quanto você acumulou. Existem 2 tipos:

  • Aberta: São planos comercializados por bancos e seguradoras, e qualquer pessoa pode contratá-los.
  • Fechada: São planos de empresas exclusivos para seus funcionários, não podem ser adquiridos por pessoas de fora daquela empresa.

Um pouco da história da Previdência Privada no Brasil

A Previdência Privada foi regulamentada no Brasil em 1977, através da Lei 6.435, mas o crescimento das aplicações em planos de Previdência Privada se acentuou a partir da década de 90 com o Plano Real e a estabilidade monetária.

Hoje em dia tem se falado muito sobre problemas de déficits no INSS, sobre o fator previdenciário que reduz em muito o salário de aposentadoria, e se especula muito sobre o futuro, como por exemplo, qual será a idade mínima exigida para se aposentar daqui a 10 ou 20 anos, uma vez que a expectativa de vida está cada vez mais alta.

Não entrarei na questão sobre as especulações quanto ao futuro do INSS, mas o que é importante nessa questão é: Programe-se, guarde dinheiro, tenha outras fontes de renda, pois pode ser um perigo contar somente com o INSS.

Previdência Privada ou Poupança?

Agora que já fiz uma breve introdução sobre Previdência, quero deixar mais uma vez bem clara a importância de você se programar para a aposentadoria. Até aí tudo entendido, certo!? Agora a questão é: qual a melhor forma de fazer uma reserva financeira para a aposentadoria?

Nesse artigo comparo a Previdência Privada apenas com a poupança, que é a aplicação mais conhecida dos brasileiros, mas essas comparações também podem se aplicar a outras aplicações de renda fixa como CDB, fundos de renda fixa, entre outras.

1º Fator a Considerar: Rentabilidade

Você pode consultar a rentabilidade da poupança diretamente no site do Banco Central, acesse esse link e observe na coluna “Remuneração Total” o rendimento conforme o dia base (o dia que você depositou o dinheiro na poupança) da aplicação da poupança, aquele valor está em percentual e é o rendimento mensal. Para tornar a análise nesse artigo mais simples de entender, vamos considerar que a poupança rende aproximadamente 6,5% ao ano (a.a), ressaltando que ela varia um pouco para mais ou para menos (por exemplo, em março/2014, a poupança variou de 6,1% a.a a 7,9% a.a conforme o dia base). Conhecendo essa rentabilidade (6,5% a.a), você será capaz de analisar se a rentabilidade do plano de previdência privada está melhor ou não. Verifique no site da instituição que você está pesquisando, e observe a rentabilidade acumulada dos últimos 12 meses, veja os links a seguir.

Atenção: Existem planos de previdência privada de renda fixa, variável (ações), ou um mix das duas, ou seja, suas rentabilidades podem e vão oscilar para cima ou para baixo. Esteja bastante atento às rentabilidades e saiba que “rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura”.

Veja algumas tabelas de rentabilidade dos planos de previdência do Bradesco, Banco do Brasil e Itaú, diretamente em seus sites:

Note que existem vários nomes (tipos) de planos de Previdência Privada. Na tabela do Itaú fica bem claro que o cliente irá se enquadrar em cada plano conforme a aplicação inicial, e então veja como funciona, quanto mais dinheiro você aplicar, você terá acesso aos planos com maior rentabilidade. No Banco do Brasil e no Bradesco não fica claro em qual plano você se enquadraria, dificultando a comparação com a poupança, seria necessário consultar um atendente do banco para te auxiliar.

Os Planos de Previdência Privada são assim, quanto maior a aplicação inicial e/ou maiores contribuições mensais que você fizer, melhor será a rentabilidade do plano que você se enquadrará.

2º Fator a Considerar – Taxas e Imposto de renda

Poupança: É isenta de taxas, imposto de renda, ou quaisquer outras cobranças. Sendo assim, sua rentabilidade líquida e efetiva será de aproximadamente 6,5% a.a.

Previdência Privada: Da mesma forma que no item anterior “rentabilidade”, quanto maiores aplicações e contribuições mensais, menores as taxas do plano, e consequente maior rentabilidade. As taxas mais comuns são:

  • Taxa de administração: A rentabilidade acumulada dos últimos 12 meses divulgada dos planos já considera o custo da taxa de administração, ou seja, se aparece no site 5% a.a, essa é a rentabilidade líquida já considerando o custo da taxa.
  • Taxa de carregamento antecipada: é o custo quando você faz uma contribuição. Cada plano tem uma taxa diferente. Por exemplo, um determinado plano a taxa é 10%, a cada aplicação mensal de R$ 100,00, na verdade seu saldo estará aumentando em R$ 90,00 e R$ 10,00 vai para a instituição.
  • Taxa de carregamento postecipada: essa taxa chega a 0% após o período mínimo em que você terá de manter o dinheiro aplicado, mas se você resgatar o dinheiro (parcial ou total) antes desse prazo, terá que pagar a taxa postecipada. Por exemplo, em um determinado plano a taxa é 5% se você resgatar até 2 anos da aplicação, sendo assim, resgate R$ 100,00 e pagará R$ 5,00 à instituição, mas se a taxa zera após 3 anos de aplicação, então você estará isento da taxa postecipada para resgates após 3 anos. Verifique os prazos do plano antes de aplicar.
  • Pecúlio: É um seguro de vida, o seu plano poderá ter ou não, verifique, pois é mais um custo.
  • Outras coberturas/custos: Um exemplo é a cobertura de pensão. Verifique cobranças de outras coberturas que acabam diminuindo sua reserva de dinheiro acumulado.
  • Imposto de Renda: Não vou aprofundar agora sobre os tipos de Previdência Privada VGBL (para quem é isento de imposto de renda ou declara no tipo simplificado) e Previdência Privada PGBL (para quem declara imposto de renda no tipo completo), e ainda tem o tipo de tributação progressiva ou regressiva. Mas note, possivelmente você ainda terá esse custo.

Veja um exemplo desses custos: Plano de Previdência Privada Itaú 1ª Previdência VGBL RF.

Do lado direito da tela, veja que dos R$ 100,00 de contribuição mínima mensal, de início apenas R$ 75,00 irão para seu saldo acumulado, R$ 25,00 é risco (possivelmente seja seguro de vida, ou seja, se você falecer, seu herdeiro receberá o dinheiro acumulado do plano e mais um valor do seguro). Além disso, até você acumular R$ 9.999,00 de saldo total, a cada aplicação você irá pagar 3,5% de taxa, ou seja, dos R$ 100,00, desconta R$ 25,00 de risco + R$ 3,50 taxa, sendo que sobrará para você R$ 71,50.

Afinal, qual é a melhor?

Após analisar esses dois fatores, rendimento e taxas, que diferenciam um plano de Previdência Privada da Poupança, podemos já fazer um resumo e uma conclusão bastante simples e prática: Se a rentabilidade do plano de Previdência Privada nos últimos 12 meses for próxima ou menor de 6,5% a.a, é melhor guardar seu dinheiro na poupança.

E hoje, escrevo isso dia 29/06/2015, posso dizer que aplicações de valores mais elevados, a partir de R$ 50 mil, já terão melhores rentabilidade do que na poupança, e para valores assim mais altos as taxas diminuem bastante e em alguns casos são até isentas.

Mas, nem sempre o fator determinante na sua escolha, entre fazer um plano de Previdência Privada ou guardar seu dinheiro na poupança, é a rentabilidade. Veja a seguir os motivos que você também deve considerar para decidir entre fazer ou não fazer um plano de previdência privada.

Motivos para fazer uma Previdência Privada

1 – Poupança forçada

A Previdência Privada não deixa de ser uma conta a pagar todo mês, então muitos encaram ela como uma poupança forçada, onde você vai juntando dinheiro, e após 30 anos, ou seja qual tempo for, terá um bom dinheiro guardado para realizar seus sonhos e ter uma boa aposentadoria.

Se você é uma pessoa que não consegue guardar dinheiro de forma alguma, então a Previdência Privada mensal pode ser uma boa escolha mesmo se na comparação com a poupança ela render menos, pois o que mais importa é que você guarde dinheiro. Caso não seja esse seu caso, você deve pesquisar, analisar, comparar antes de tomar sua decisão em fazer a Previdência Privada, também saiba que as aplicações irão “engessar” seu dinheiro caso precise dele em alguma urgência.

2 – Sucessão Patrimonial

A Previdência Privada é o único tipo de aplicação que dispensa inventário para seu saque. No caso de falecimento do titular do plano, seu saldo total é pago ao beneficiário indicado, ou na ausência dele, aos herdeiros legais. Sabe-se que processos de inventários podem demorar anos.

Se você pensa em sucessão, faça uma previdência privada e não uma conta conjunta, veja os detalhes em caso de falecimento de titular da conta conjunta.

3 – Administração do seu dinheiro

Se você quer correr um pouco mais de risco para tentar obter melhores rentabilidades, contratar um plano de Previdência Privada que seja composto de ações pode ser uma boa alternativa. Por que? Porque a instituição irá administrar o seu dinheiro de forma que, conforme for chegando perto da sua idade de aposentadoria, ela vai passando sua reserva para aplicação de renda fixa. A ideia é maximizar o ganho do cliente, portanto, como não é renda fixa, você não terá como saber certo qual será a rentabilidade e o valor acumulado no final do plano.

Só contrate um plano que investe em ações para longo prazo, pelo menos 10 anos. Se não te agrada correr riscos, solicite que o valor seja aplicado em renda fixa.

Motivos para não fazer uma Previdência Privada

1 – Você é disciplinado em guardar dinheiro, tem um certo conhecimento sobre aplicações financeiras e tem condições e tempo de gerir seu dinheiro? Então você mesmo deve migrar seu saldo de uma aplicação para outra nos momentos corretos, buscando maior rendimento;

2 – Para pequenos valores de aplicação mensal (menos de R$ 300,00), ou unica (menos de R$ 50 mil), a quantidade de taxas faz com que as rentabilidades, geralmente, sejam inferiores às da poupança; OBS: esses valores são apenas uma referência, eles mudam de banco para banco;

3 – Nessas tabelas você verá muitos planos com rentabilidade negativa, são planos com aplicações em renda variável (ações), ações oscilam bastante, você pode perder ou ganhar muito. Antes expliquei o benefício em aplicar num plano de Previdência Privada composto por ações, mas considere que você não pode nem pensar em resgatar esse dinheiro antes do prazo, pois em momento de queda do mercado de ações você poderá perder muito dinheiro. Na dúvida, aplique em previdência privada com renda fixa;

4 – Planos de Previdência Privada não contam com a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), o que significa que se a instituição onde você tem o seu plano de Previdência Privada quebrar, você perderá todo seu dinheiro aplicado.

Conclusão

Guardar dinheiro implica que você precise adquirir cada vez mais conhecimentos sobre investimentos. Realizar seus investimentos ao longo da vida de forma inteligente, vai garantir uma aposentadoria com uma boa reserva financeira num momento em que você vai precisar muito dela, tanto para garantir tratamentos médicos quanto para curtir a sua vida fazendo aquilo que gosta.

O mercado econômico oscila bastante, as rentabilidades dos mais diversos tipos de aplicações financeiras vão mudar ao longo do tempo, portanto esteja sempre atento para migrar sua reserva financeira para aquelas aplicações que estão dando mais retorno naquele momento.

Se você optar por contratar um plano de Previdência Privada como investimento para o futuro/para aposentadoria, saiba que só é vantajoso se for mante-la por um prazo muito longo, digo, no mínimo 10 anos, pois senão as taxas irão “engolir” seus rendimentos. Para aplicações de prazos menores que isso, só se forem de valor bastante elevado (digo acima de R$ 50.000,00), pois aí as taxas serão menores.

Contrate planos em Instituições sólidas e de confiança, não corra o risco de perder seu dinheiro.

Finalizando, faça as comparações que te ensinei nesse artigo, leia mais sobre o assunto em outros sites, e qualquer dúvida deixe seu comentário aqui no Dicas Bancárias que iremos te responder.

41 comments

  1. Sugiro buscar maiores informações sobre a questão de proteção do recurso em Previdência Privada. Realemnte ele não está garantido pelo FGC (limite máximo de garantia é R$250.000,00), porem ele tem uma garanti melhor que o FGC: Caso a instituição vir a abrir falência a SUSEP/BACEN “escolhe” outra instituição financeira para administrar todo o recurso do fundo de previdência, ou seja, só irá mudar a instituição (seguradora) responsável pela administração do plano não havendo perda para o cliente.
    Se considerarmos que o FGC tem limite máximo de garantia de recebimento e a reserva do cliente for maior do que esse limite, então a Previdência Privada ganha mais um argumento para ser mais atrativa.
    Espero te colaborado.

    1. Oi, Camila. Procurei as informações que você colocou no seu comentário nos sites oficiais, Susep e Bacen, e não encontrei nada. Não tenho conhecimento sobre nenhum tipo de proteção à previdência privada, a não ser a própria solidez da seguradora onde o cliente aplica o dinheiro. Desculpe, mas não faz sentido se uma empresa falir, uma outra qualquer passar a gerenciar um saldo que não existe mais. Se você tem fontes oficiais, por gentileza escreva novamente aqui no Dicas Bancárias.

      1. Olá Juliane preciso de sua ajuda quero aplicar 250 .000mil a curto prazo máximo por 2 anos o que você mim indicaria sem correr riscos algo que não seja previdência.grata

        1. Olá! Algum fundo de renda fixa de longo prazo (de baixo risco), CDB, LCA ou LCI. LCA e LCI são isentos de imposto de renda e algumas vezes acabam rendendo mais que os outros!

  2. O numerário e os rendimentos existentes em um Plano de Previdência Privada Empresarial podem ser incluídos no rol de bens de um casal sob o regime de comunhão parcial de bens? O Plano de Previdência Privada Empresarial Complementar foi feito pela empresa em 1995 , o funcionário já não está mais na referida empresa e o saldo passou para outro banco por motivo de fusão entre bancos. Neste plano há possibilidade de resgate a qualquer momento mas ao mesmo tempo existe a possibilidade de recebimento de aposentadoria a partir de 2016.

    1. Oi Tereza, essa é uma questão bastante complexa, uma vez que em tese o valor aplicado em previdência privada não é partilhável entre o casal. Mas conforme o caso, em divórcio por exemplo, o conjuge pode pleitear uma parte, uma vez que pode ser entendido que esse valor saiu do casal. Veja dois links: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/como-proteger-os-bens-da-partilha-do-divorcio
      http://www2.uol.com.br/infopessoal/noticias/_HOME_OUTRAS_1501438.shtml

  3. Olá, fiz uma previdência privada no SICOOB e descobri que lá tem as melhores taxas do mercado ! Estou muito satisfeito. A taxa de adm ao ano é de 0,25% a.a, e a taxa de carregamento (parcela mensal) é de 2,5 %. Recomendo bastante !

    1. Paulo, a taxa de administração é apenas uma variável a ser analisada e não deve ser a única. Você paga taxa de administração baixa mas paga muito mais caro no carregamento. É muito mais vantagem pagar uma taxa de administração um pouco mais cara e zero de carregamento. Outro fator que é importantíssimo saber é que a rentabilidade dos demonstrativos da previdência já é líquida da taxa de administração. Ou seja, não adianta pagar uma taxa baixa se mesmo assim o fundo não dá retorno em linha com o mercado. Estará andando para trás.
      Mais outro ponto a ser analisado: a seguradora te cobra 2,5% de carregamento de entrada, isso quer dizer que se você contribuir por mês $100,00, só entrará na sua previdência $97,5. Vamos supor que sua previdência seja um fundo de renda fixa remunerando 100% do CDI (12,5% ao ano aproximadamente), ele pagará em torno de 1,002% ao mês sobre $97,5 = $98,47 seu saldo no final do mês com a taxa de carregamento. Se ela não existisse, seu saldo no final do mês seria $101,002. No final das contas, a gestora do seu fundo fica com a taxa de administração + 1,49% (2,5% – 1,002%). Em suma, você todo mês está PERDENDO dinheiro. (Nem contei a inflação!).

      Taxa de administração baixa é bom, mas precisa ser analisada dentro de um contexto!
      Taxa de carregamento de entrada deveria ser crime!
      No longo prazo (objetivo da previdência), qualquer 0,001% fará diferença no seu investimento, imagine 2,5%!

      Abra o olho, Paulo!

  4. Tenho na poupança em nome do meu filho r$150.000 e o banco vem insistentimente tentando me convencer a colocar na previdencia privada. Dizendo que atualmente rende 6% ao ano e na previdencia irá render 10%. Ele tem 12 anos e aos 18 seria dele pra usar pra estudar, comprar um imovél ou como precisar.
    Estou bem confusa se mantenho ou invisto. E tbm confusa pq o banco insiste tanto
    Gostaria de uma opiniao
    Obrigada

    1. Oi Cibele! Atualmente a poupança está um investimento bem ruim. Existem aplicação rendendo bem mais. Sobre a previdência, você precisa se informar das taxas de cobrança (inicial, de carregamento e de resgate), pois de nada vale te prometerem 10% a.a se te encherem de cobranças. Para esse valor alto de R$ 150.000 às vezes o banco vai baixar bastante essas taxas ou até mesmo isentar, mas se informe. Também questione se a previdência será em renda fixa (e não em ações), é melhor que seja em renda fixa para 6 anos. Sinceramente, pela minha experiência, previdência privada é para se olhar em um horizonte de mais de 10 anos, pois devido às taxas, menos tempo pode não ser interessante. Mas como eu te disse, verifique essas informações de taxas, e acima de tudo, esteja convicta de que o atendente esteja bem preparado para responder suas dúvidas e você não acabar caindo numa cilada. Qualquer coisa, volte me perguntar! Abraço.

  5. Ficarei grato se alguém puder desprender alguns minutos para me ajudar.
    Não tenho uma ótima renda e quero começar a guardar R$300,00/mês por um período de 25 anos( obviamente acrescendo periódicamente o valor investido ao mês). Qual é a melhor forma de, ao final, esse dinheiro ter um bom rendimento para mim, poupança ou previdência privada? Qual o risco que corro nas duas opções? Obrigado

    1. Oi Paulo! Deixarei sua pergunta aberta se mais alguém quiser opinar.
      A minha sugestão é que você aplique na Previdência Privada, pelo valor mensal, é possível que você consiga taxas de carregamento bem baixas, e taxa de administração baixa também. Converse com alguém “bem entendido” do assunto na sua agência e solicite simulações.
      A poupança tem dado pouco juros, isso mudou há 1 ano, quando os juros (SELIC) começaram a subir, portanto no momento de indicaria a previdência pois é um produto que se adequa bem ao que você quer, e a chance de dar mais rendimento ao longo do tempo é maior.
      Sobre risco: a poupança é garantido pelo FGC ate R$ 250.000,00, os planos de previdência privada não possuem essa garantia, portanto é importante aplicar em uma instituição bastante confiável.

  6. Boa noite!
    Apliquei R$50.000,00 no VGBL no Bradesco. O atendente issistiu que em 1 ano rende melhor que a poupança.
    Gostaria de ter uma opinião sobre isso.
    Desde já, agradeço a atenção.

    1. Oi Fabiana. A previdência tem rendido mais que a poupança. Mas não vale a pena para pouco prazo, digo, menos de 5 a 10 anos. Pois quando você aplica o dinheiro, uma parte é descontada que se chama taxa de carregamento inicial. Isso você precisa se informar, pois por exemplo, se essa taxa for 3%, dos R$ 50.000 que você aplicou, o banco tira de imediato R$ 1.5000, e sua aplicação fica de fato R$ 48.500,00, e o rendimento tem que muuuito bom em 1 ano para recuperar isso. Entende porque não vale a pena para pouco prazo?!

    2. procure saber o que acontece quando for resgatar a aplicaçao no meu caso foi descontado 15porcento para efeito de imposto de renda .isto o gerente nao me informou quando fis o plano,me sinto roubado.

  7. O banco me sugeriu que transferisse uma quantia de mais ou menos 150 mil reais da poupança para o vgbl F10 do Bradesco, pq segundo eles, a poupança estaria rendendo muito pouco e eu estaria perdendo dinheiro. A proposta deles é que eu transfira para um plano vgbl com taxa de adm de 1% a.a. e que renderia mais ou menos 0,9% a.m. Porém, não sei nada a respeito sobre as taxas de carregamento, de resgate, bem como pecúlio e possíveis coberturas. Será que vale a pena? Vai realmente render mais que a poupança? O gerente disse que teria quase o dobro de rendimento, mas como tem as taxas, não sei se compensa. Alguém poderia me ajudar com essa questão? Gostaria de saber também se há alguma outra aplicação com rentabilidade, segurança e liquidez melhor que a poupança.
    Grata.

    1. Olá! O teu gerente tem que te informar as taxas de carregamento e de pecúlio, só com elas é possível saber se vale a pena. Render quase o dobro que a poupança é um pouco de exagero. Mas só pense em aplicar vgbl se for para ficar muitos anos, para menos de 10 anos não vale a pena igual. Estive lendo agora alguns planos de previdência VGBL, e as taxas de entrada variam de 0,7% a 1,5% mais ou menos, ou seja, se o teu plano for 1% a taxa de entrada, dos R$ 150.000 iniciais, será descontado de cara R$ 1.500,00 que vai para o banco, portanto, só vale a pena aplicar se a rentabilidade for tão boa que reponha esse valor e dê mais rentabilidade que as aplicações abaixo.
      Outras boas aplicações no Bradesco:
      Fundos, esse é ótimo: Bradesco FIC Referenciado DI Special, disponivel em http://www.bradesco.com.br/html/exclusive/produtos-servicos/investimentos/fic-referenciado-di-special.shtm . O rendimento está muito bom, e bem melhor que a poupança. Ele é ótimo pois a aplicação inicial é R$ 150.000.
      CDB prefixado – se pagar mínimo 80% do CDI já está ótimo e bem melhor que a poupança. Pense em ficar pelo menos 1 ano.
      LCA: esse é o melhor porque não tem Imposto de Renda, mas nem todo cliente tem acesso a ele. Para esse volume de 150 mil, tem chance de ter. Se pagar pelo menor 80% do CDI, será o melhor de todos.
      OBS: a poupança sempre deixa de ser atrativa quando juros estão altos na economia, que é o caso agora. E as aplicações que variam em CDI sempre oscilam, todo mês, mas com juros altos, elas não baixam muito. Essas são apenas sugestões, acho que com mais informações é mais fácil negociar com seu gerente. Qualquer dúvida me escreva.

      1. Oi, Juliane!
        Segundo o gerente, não tem taxa de carregamento inicial, nem pecúlio e quando eu quiser fazer algum aporte é possível negociar e zerar a taxa, desde que seja não sejam aportes pequenos. Segundo ele, o rendimento é de 0,9% a.m e a taxa de adm seria de 1%. Além disso, após 2 anos eu poderia retirar o dinheiro, se quisesse, sem pagar taxa de saída, já que posso querer retirar o dinheiro a qualquer momento. Você acha que vale realmente a pena aplicar no vgbl sob essas condições? Dei uma olhada no Bradesco FIC Referenciado DI Special que você sugeriu e vi que ele rendeu menos do que o vgbl f10 tanto em abril, quanto durante todo esse ano. Ainda assim seria vantagem aplicar nesse fundo ao invés do vgbl? Além disso, um cdb ou uma lca que renda 80% do cdi seria de fato vantajoso? O ideal não seria que pagasse mais?
        Obrigada.

        1. Oi Maria! Com essa taxa de rendimento, e sem as taxas de carregamento inicial e demais taxas, está uma aplicação bem boa! Se são 2 anos, e você não vai precisar antes disso, vale a pena!
          Abraços!

      2. Boa tarde.Eu tenho uma previdência privada no meu nome.se o meu marido vim a falecer. Os filhos tem direito este dinheiro também. Se eles acharem que tem direito o qie fazer

  8. Olá,
    Gostaria de uma dica, tenho uma filha de um ano e quero guarda um dinheiro para seu futuro, qual plano seria a melhor opção? Reparei que a previdência tem muitas taxas, porem meu marido e eu não somos muitos regrados para guarda dinheiro. E agora chegou a hora de arrumar um solução para esse investimento para nossa filha. Mas a um longa prazo mesmo com mais raxas ou sendo altas vale mais a pena a previdência?

    1. Oi Amanda! A previdência tem seguro em caso de falecimento do titular do plano, você ou seu marido. Mas além disso cobra algumas outras taxas. Se vocês não são muito regrados, acredito ser a melhor opção mesmo, qualquer outra aplicação vocês poderiam “falhar” nas contribuições!

  9. Boa noite!

    Contribuo para um plano de previdência privada fechado da minha empresa. Quando me aposentar, de acordo com o regulamento deste plano existem as seguintes opções de resgate: tudo à vista ou mensalmente em 5 anos, em 10 anos, em 15 anos ou em 20 anos.
    Como a entidade de previdência privada da minha empresa não é confiável, todos os empregados que estão se aposentando estão resgatando todo o montante à vista. Aí é que vem o drama, pois o “leão morde” 27,5% do montante.

    Diante disso, depois que me aposentar:

    1)posso fazer a portabilidade deste plano de previdência fechado para um plano aberto comercializado por algum banco?
    2)se for possível fazer esta portabilidade, tenho que escolher um prazo (anos) para fazer seu resgaste no momento da adesão ao novo plano? Qual o tempo mínimo deste prazo (anos) os bancos costumam exigir?
    3)Após cumprir o prazo de aplicação exigido pelos bancos, é possível solicitar ao banco a transferência de todo o valor aplicado na previdência privada para uma caderneta de poupança deste banco? (caso os rendimentos da previdência privada não estejam tão atraentes?)

    Grato pela atenção,

    Vicente

    1. Oi Vicente. Planos de previdência fechados não podem ser portados, nesse caso acho que você resgata tudo como os seus colegas e aplica em um banco em uma aplicação outra que não a previdência, pois a previdência só vale para longo prazo.

  10. Boa tarde ,
    Estou com uma dúvida a tempos, meu filho é recém-nascido , pretendo guardar dinheiro a longo prazo pelo período de 18 anos , vou fazer aportes pequenos ( R$ 200) , na minha situação e mais atrativo a previdência privada ou caderneta de poupança?. Desde quando descobrir que vou ser pai estou estudando qual o melhor investimento. Agradecido Fernando

    1. Depende: A poupança você sabe como funciona, certo!? Você mesmo pode abrir para ele e o rendimento você conhece.
      A previdencia: você tem alguns custos, seguro e taxas. Mas também alguns beneficios e coberturas em caso de você falecer antes dos 18 anos do seu filho.
      Portanto, se for olhar diretamente para rendimento, você ficará com a poupança, se olhar para os benefícios ficará com a previdência. Na previdência vai acumular um pouco a menos de dinheiro no período, mas não é tanto também.

  11. Ola boa tarde. Tenho 32 anos e tenho uma duvida entre aplicar mensalidade R$ 500,00 na privada ou na poupança, o que seria mais vantajoso quando eu tiver 55 anos, após contribuir 28 anos?Obrigado pelas informações.

  12. Tenho FlexPrev de 1998, renda vitalícia, já posso aposentar, fiquei sabendo que algumas pessoas fazem o resgate do rendimento o que preserva o capital para qualquer eventualidade. Quando o plano é transformado em renda a reserva deixa de ser minha e passa ser do banco. Se eu fizer resgate desconta 15% de imposto de qualquer valor que resgatar. A tabela é progressiva. Vale a pena?

  13. Minha filha tem um plano de previdência privada do Banco do Brasil há aproximadamente 11 anos. Hoje, ela está com 17. O plano foi feito por minha mãe, que à época tinha 69 anos (atualmente, 81 anos). Há cinco anos pegamos o saldo dos valores depositados e ficamos extremamente frustradas com o valor que estava no demonstrativo. Descobrimos que o seguro de vida da minha mãe abocanhava aproximadamente 70% do valor depositado mensalmente, outros tantos eram para pagamento de taxas e de R$ 75,00, eram convertidos entre R$ 12,50 e R$ 14,00 para o fundo de previdência propriamente dito. Naquela oportunidade o banco ofereceu um aporte de mais de R$ 6.000,00 (tenho a proposta guardada), não aceitei. Fiquei pensando em rever o plano judicialmente, mas ainda não o fiz. Há alguma chance de ganhar uma ação desse tipo? Em se tratando de plano de previdência, esse seguro não foi extremamente abusivo? Não há possibilidade dele, ou parte dele, entrar no montante que será recebido no resgate do plano?

    1. Olá! O seguro era alto justamente pela idade da sua mãe. Obrigada pelo seu depoimento, extremamente importante para mais pessoas se informarem sobre o assunto, pois eu sei que essas taxas/seguros são altos mesmo em algumas situações. Sobre entrar na justiça, não sei te dizer nunca vi nenhum caso…creio que não dê certo uma vez que todos os detalhes estão descritos no contrato assinado na época.. Continue recebendo informações interessantes no seu facebook, curta nossa página: https://www.facebook.com/dicasbancarias/

  14. Há 17 anos, com o intuito de fazer uma reserva para ajudar na faculdade de 2 netos, fui mal orientado por uma gerente e apliquei em PGBL. Como um dos netos, prestes a completar 18 anos, está atrasado nos estudos, não quis que o fundo passasse para seu domínio, preferindo resgatar e aplicar em outra modalidade no meu nome. Aí descobri que o IR incidia sobre o total do capital aplicado. A gerente atual propôs um VGBL no meu nome, com prazo alto e, se necessário, daqui a alguns anos, resgates esporádicos. A pergunta é: se eu colocar meus netos como beneficiários, poderei resgatar, se necessário, valores parciais? Se eu vier a falecer o fundo passa imediatamente para o nome deles, mesmo que um deles ainda seja menor?
    Grato.
    Dalton

    1. Se colocar eles como beneficiários, você pode resgatar e em caso de seu falecimento, o dinheiro ficará para o beneficiário indicado mesmo sendo menor. Mas se a ideia é usar em pouco tempo, verifique se as taxas que irá pagar nãi serão muito altas fazendo um VGBL.

  15. Quando VGBL vale como investimento?Incide IR?Como moro no interior não tenho muitas opções,então a gerente do bradesco me ofereceu a opção de aplicar 50,000 sem taxa carregamento e com uma taxa de ADM de 1,5 %,que outros pontos devo considerar antes de fazer esse investimento?vale a pena tirar dinheiro da poupança?

    1. Olá, VGBL vale como investimento sim. Incide IR sobre o rendimento (da mesma forma que um fundo de renda fixa). A taxa de adm está boa, e sem taxa de carregamento, está ótimo. Apenas verifique qual tipo de fundo o dinheiro será aplicado, renda fixa (menos riscos) ou ações (mais riscos), isso você pode escolher.

Atenção antes de comentar

  • Verifique se a sua pergunta já foi feita por outro visitante. Não responderei perguntas duplicadas.
  • O prazo médio de resposta é de 7 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *